Quarta-feira, 30 de Setembro de 2015

Como pode impedir o estresse crónico de destruir a sua memória

MAP (30-09-15)

Se está a ler este artigo, é provável que esteja familiarizado com os impactos mais significativos do estresse, como doenças cardíacas, obesidade, diabetes, problemas gastrointestinais, doença de Alzheimer, envelhecimento acelerado e até mesmo a morte prematura. Mas há um outro grupo de sintomas muito menos conhecidos que provêm daquilo que é considerado estresse e ansiedade crónicos de baixo grau.

Este tipo de sinais permanece oculto sob a percepção consciente − a inquietação ou mal-estar crónicos, os medos ou preocupações vagos que podem aparecer e desaparecer, mesmo sem os reconhecermos, e que contribuem para os seguintes sintomas:

  • Incapacidade de se concentrar
  • Incapacidade de tomar decisões claras
  • Esquecer-se de coisas
  • Perder a acuidade mental
  • Insónia
  • Défice de atenção
  • Falta de energia
  • Fadiga crónica 

Se estiver a experimentar qualquer um destes sintomas de baixo grau, há uma probabilidade muito alta de que o estresse crónico seja a raiz do problema.

De acordo com a Associação Americana de Psicologia, mais de 50% dos norte-americanos vivem com estresse crónico. E quando se leva em conta o número de pessoas que vivem com um baixo grau de estresse a funcionar silenciosamente em segundo plano, esse número é muito maior.

Se está actualmente entre os desempregados de longa duração, tem uma hipoteca em desordem, encontra-se numa encruzilhada profissional, experimenta problemas de relacionamento, ou está a ter um ressentimento persistente com o vizinho, o estresse tornou-se o seu novo padrão de vida e, para a maioria, a única forma de vida. E tornou-se a nova forma de vida porque o seu cérebro se reconectou ao adoptar o estresse como o novo padrão.

Os biólogos celulares há muito compreenderam a resposta fisiológica “lutar ou fugir” de ameaças externas repentinas de curta duração, como enfrentar um tubarão ou dar um passo atrás quando um carro se aproxima. O sistema de controlo e resposta incorporado no cérebro regula o fluxo de hormonas do estresse das glândulas supra-renais que avisam os 50 biliões de células do corpo para “fugirem e proteger-se” face a esta ameaça, e regressarem ao normal logo que a ameaça tenha passado.

Menos entendido, no entanto, era o impacto biológico da exposição a ameaças prolongadas e persistentes ou “estresse”, como o novo padrão das tensões do dia-a-dia, acima mencionado. Contudo, após 40 anos de pesquisa sobre o cérebro, sabemos agora que o próprio cérebro se reajusta, formando novas vias neurológicas para acomodar esse estado de estresse crónico contínuo − algo conhecido como neuroplasticidade. Neste estado, o cérebro despende mais esforço a instruir as células do corpo para se protegerem e menos esforço a executar as suas funções primárias de fornecer oxigénio e nutrição às células para o funcionamento “normal”.

No curto prazo, este “estresse” celular crónico produz todo o tipo de desequilíbrios do sistema, que se manifestam numa incapacidade de prestar atenção, falta de concentração, incapacidade de tomar decisões, declínio da memória, falta de energia, insónia, etc. A longo prazo, estes sintomas não diagnosticados nem tratados a nível causal, tornam-se doenças diagnosticáveis mais graves.

O mais preocupante é que, se procurar ajuda médica para estes sintomas, o seu médico − e a medicina convencional, em geral − não “liga os pontos” e olha com profundidade suficiente para identificar a causa fundamental, que são os desequilíbrios sistémicos provocados pelas células sob estresse.

Em vez disso, é atribuído um nome e um código aos sintomas, e segue-se depois um ‘padrão de atendimento’ protocolar para tratar o sintoma. É por isso que muitas vezes ouve o médico dizer: “não consigo encontrar nada de errado” ou “está tudo na sua cabeça”.

Uma boa notícia para as pessoas que vivem com esses sintomas crónicos não resolvidas, e que procuram ajuda em todo o lado, é o aparecimento de novas tecnologias − ferramentas robustas, mas simples − agora disponíveis para identificar a origem desses sintomas. Uma dessas tecnologias de vanguarda é um processo de avaliação e teste feito em casa, chamado Perfil de Avaliação Matriz ou MAP.

Com uma pequena amostra de urina e saliva, o analisador de fluidos do MAP − originalmente desenvolvido por uma equipa de bio-engenheiros da NASA − vai espreitar na sua bioquímica e detectar os desequilíbrios causadores desses sintomas, directamente na origem, algo que um exame de laboratório convencional não consegue fazer.

Uma característica notável deste sistema exclusivo é que mostra os actuais ‘marcadores de doenças’, antes desses marcadores se transformarem em sintomas perceptíveis. Melhor ainda, pode obter respostas reais para as preocupações crónicas de saúde que o seu médico não foi capaz de lhe fornecer. 

http://undergroundhealthreporter.com/stop-chronic-stress/ 

 

publicado por Rui Vaz às 08:22
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.temas principais

  • Anti-envelhecimento
  • Fitoterapia
  • Nutrição

  • Receitas
  • Saúde mental
  • Suplementos
  • Terapias
  • .posts recentes

    . Exercício físico

    . Cinco analgésicos perigos...

    . Exercício da serpente par...

    . Frango com vinagrete de m...

    . A manteiga faz mal à saúd...

    . O perigo das garrafas plá...

    . Alimentos que queimam gor...

    . Chá de pimenta-caiena

    . Relaxe: Controle o estres...

    . As sementes de damasco pr...

    . Cúrcuma para a depressão

    . Frango com limão

    . Sistema físico ideal de t...

    . Mantenha um diário de gra...

    . Problemas do sono

    . É seguro cozinhar com aze...

    . Schisandra: o fruto silve...

    . “Cereais” rápidos e croca...

    . Como fazer um lift facial...

    . Combata a postura sentada...

    .arquivos

    . Novembro 2015

    . Outubro 2015

    . Setembro 2015

    . Agosto 2015

    . Julho 2015

    .tags

    . anti-envelhecimento

    . anti-inflamatório

    . antibiótico natural

    . anticancerígeno

    . antioxidante

    . cancro

    . cérebro

    . colesterol

    . desintoxicação

    . doença cardíaca

    . doença de alzheimer

    . estresse

    . exercício físico

    . facto ou mito

    . fitoquímico

    . fitoterapia

    . nutrição

    . óleo essencial

    . ómega-3

    . químico tóxico

    . receita sem glúten

    . suplemento

    . terapia

    . toxina

    . vitamina

    . todas as tags

    .links

    RSS