Quarta-feira, 19 de Agosto de 2015

A descoberta que revela o segredo para aliviar a dor nas articulações

Em 1972, o dr. Max Wolf descobriu exactamente por que razão, à medida que envelhecemos, o nosso corpo, especialmente as articulações, se torna cronicamente inflamado provocando a artrite incapacitante.

O dr. Wolf descobriu uma enzima pouco conhecido que “desliga” literalmente a dor. Mas isso não é tudo, estas enzimas também transmitem uma longa lista de benefícios surpreendentes para a saúde, incluindo:

  • Reduzir a inflamação e inchaço das articulações
  • Matar vírus e bactérias, fortalecendo o sistema imunológico
  • Limpar o sangue, melhorando a circulação e acelerando a cura
  • Destruir o excesso de tecido cicatricial, melhorando a mobilidade e flexibilidade 

Foram realizados cerca de 100 estudos que demonstram como essas enzimas pouco conhecidos eliminam eficazmente a dor nas articulações. Eis apenas dois exemplos:

Um estudo duplo-cego e controlado por placebo, em 80 pessoas prestes a ser submetidas a cirurgia do joelho, concluiu que o tratamento com essas enzimas, após a cirurgia, melhorou significativamente a taxa de recuperação, medida por uma melhoria da mobilidade e redução do inchaço.

Outro estudo duplo-cego e controlado por placebo, em 30 pessoas com dor crónica do pescoço, constatou que a suplementação com estas enzimas reduziu significativamente os sintomas de alívio da dor articular, em comparação com o placebo.

E, contudo, não se ouve falar da descoberta do dr. Wolf para o alívio da dor nas articulações. Por que será que isso acontece?

É porque os medicamentos de receita médica são uma indústria de 646 mil milhões de dólares por ano e a grande indústria famacêutica não quer que se saiba mais acerca destas alternativas seguras, comprovadas e de baixo custo, como as enzimas proteolíticas sistémicas.

Podem ter-lhe dito que não há esperança e que nunca vai poder “regenerar a cartilagem ou o tecido articular perdido”. Bem, isso simplesmente não é verdade.

Podem ter-lhe que deve “limitar a actividade física o mais possível”. A pior coisa que pode fazer se tem artrite!

Podem ter-lhe que que “os analgésicos serão o único meio de se ver livre da dor”. O que estão realmente a fazer é prescrever-lhe uma sentença de morte!

Aprenda mais sobre a descoberta do dr. Wolf acerca da dor nas articulações e veja como é que o seu corpo se pode auto-reparar e reverter a artrite, sem medicamentos, cirurgia de substituição articular, ou pior ainda, ficar confinado a uma cadeira de rodas.

Muitos dos medicamentos mais usados para a dor da artrite destinam-se a combater a inflamação. Mas nenhum deles tem como alvo aquilo que pode ser realmente a raiz do problema: a fibrina.

A fibrina é uma substância natural no corpo que ajuda na cicatrização das feridas, e forma o tecido cicatricial e as crostas.

Quando o corpo sente uma lesão, reage enviando as células brancas do sangue até ao sítio da lesão para combater a infecção, causando inflamação e inchaço. De seguida, liberta a fibrina para “vedar o local” com uma forte malha protectora.

Normalmente, o sítio fica curado, a fibrina desmembra-se, a inflamação desaparece e tudo volta ao normal. Mas por vezes, o processo fica descontrolado e o corpo não consegue “cancelar” a fibrina. Assim, como um botão que está preso na posição “ligado”, a fibrina continua a acumular-se no local e depois endurece, causando mais inflamação e dor.

Além disso, os estudos mostram que, se tiver mais de 50 anos, logo que a inflamação for accionada é muito menos provável que possa retroceder.

O dr. Wolf descobriu que os corpos de adultos mais jovens reagiam à dor inundando a área dolorosa com algo chamado “enzimas proteolíticas”. Mas, por alguma razão, as pessoas mais velhas mostravam níveis de enzimas proteolíticas drasticamente reduzidos e, portanto, sentiam mais dor.

Animado por esta descoberta surpreendente, verificou que a quantidade de enzimas proteolíticas no corpo começa a diminuir a partir dos 27 anos, sensivelmente. Mas poderiam as enzimas proteolíticas agir como o interruptor para desligar a artrite?

Em 1972, os cientistas descobriram que as enzimas proteolíticas são a primeira linha de defesa contra a artrite e a inflamação, operando numa base de “chave e fechadura”, porque podem identificar e separar as boas prostaglandinas das más prostaglandinas.

Também se descobriu que:

  • As enzimas proteolíticas são completamente seguras, quando comparadas com os medicamentos anti-inflamatórios não esteróides ou AINE, os mais prescritos para o tratamento de condições como a artrite, os quais põem centenas de milhares de pessoas nos hospitais e, em alguns casos, podem causar a morte!
  • Um estudo de 1982 mostrou que as enzimas proteolíticas “comem” a fibrina e outro tecido cicatricial, o que pode explicar a razão pela qual as feridas curam com cicatrizes menos flexíveis e mais grossas, frágeis e visíveis, com o avançar da idade, porque já não se tem enzimas proteolíticas suficientes para “devorar” esse tecido da cicatriz!
  • As enzimas limpam as toxinas do sangue, ao absorver e depois remover essas toxinas!
  • As enzimas reduzem o tecido cicatricial, permitindo que o sangue flua melhor e ajudando o corpo a depurar as toxinas.
  • As enzimas combatem os vírus e melhoram o sistema imunológico, ao identificar o vírus através do mecanismo especial “chave e fechadura”, tal como reconhecem as prostaglandinas, evitando assim a doença!

As enzimas proteolíticas têm sido utilizadas na Europa, desde 1974 para o tratamento da herpes labial e outras doenças virais, mesmo antes de terem sido identificadas!

Em conclusão, eis os três factos científicos conhecidos:

Facto 1: Tanto as prostaglandinas como a fibrina − dois processos normais de protecção e cicatrização − estão sempre a ocorrer no corpo. Infelizmente, se continuarem sem controlo podem causar mais mal do que bem.

Facto 2: Provou-se que as enzimas proteolíticas não só controlam as prostaglandinas e tecido cicatricial, mas até revertem alguns dos danos por eles causados. Melhor ainda, também são 100% seguras.

Facto 3: Infelizmente, a produção de enzimas proteolíticas no corpo diminuiu drasticamente por volta dos 27 anos. E com o conteúdo nutricional pobre da maioria dos alimentos, hoje em dia torna-se quase impossível reabastecer as reservas apenas através da alimentação. 

http://undergroundhealthreporter.com/discovery-reveals-the-secret-to-joint-pain-relief/

 

publicado por Rui Vaz às 08:08
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.temas principais

  • Anti-envelhecimento
  • Fitoterapia
  • Nutrição

  • Receitas
  • Saúde mental
  • Suplementos
  • Terapias
  • .posts recentes

    . Exercício físico

    . Cinco analgésicos perigos...

    . Exercício da serpente par...

    . Frango com vinagrete de m...

    . A manteiga faz mal à saúd...

    . O perigo das garrafas plá...

    . Alimentos que queimam gor...

    . Chá de pimenta-caiena

    . Relaxe: Controle o estres...

    . As sementes de damasco pr...

    . Cúrcuma para a depressão

    . Frango com limão

    . Sistema físico ideal de t...

    . Mantenha um diário de gra...

    . Problemas do sono

    . É seguro cozinhar com aze...

    . Schisandra: o fruto silve...

    . “Cereais” rápidos e croca...

    . Como fazer um lift facial...

    . Combata a postura sentada...

    .arquivos

    . Novembro 2015

    . Outubro 2015

    . Setembro 2015

    . Agosto 2015

    . Julho 2015

    .tags

    . anti-envelhecimento

    . anti-inflamatório

    . antibiótico natural

    . anticancerígeno

    . antioxidante

    . cancro

    . cérebro

    . colesterol

    . desintoxicação

    . doença cardíaca

    . doença de alzheimer

    . estresse

    . exercício físico

    . facto ou mito

    . fitoquímico

    . fitoterapia

    . nutrição

    . óleo essencial

    . ómega-3

    . químico tóxico

    . receita sem glúten

    . suplemento

    . terapia

    . toxina

    . vitamina

    . todas as tags

    .links

    RSS