Sábado, 12 de Setembro de 2015

O ioga reduz o risco de doença cardiovascular

Sabia que o ioga pode proteger de doenças cardiovasculares?

O ioga é uma antiga prática mente-corpo, originária da Índia, que ajuda a fortalecer o corpo e a mente contra a doença. Uma meta-análise de 37 estudos, compostos por 2.768 pessoas, indica que o ioga reduz o risco de doença cardiovascular, incluindo o risco de ataque cardíaco e derrame cerebral (AVC). Os benefícios físicos e a redução do estresse proporcionados pelo ioga diminuem quase todos os marcadores de doença cardíaca. Então, vamos esticar, tonificar e fortalecer o corpo com esta poderosa antiga prática física e de meditação!

Pesquisadores da Holanda e dos Estados Unidos fizeram uma revisão sistemática dos efeitos do ioga, em comparação com a ausência de exercício e o exercício tradicional.

Publicado no Jornal de Cardiologia Preventiva, o estudo mostrou que o ioga era:

  • Muito mais eficaz do que a ausência de exercício na redução dos factores de risco
  • Tão eficaz como os exercícios tradicionais, tais como ciclismo e caminhada rápida

Esta é uma grande notícia para as pessoas que não podem tomar parte na actividade física mais convencional, ou que preferem o ioga às modalidades de exercícios mais intensos.

Demonstrou-se que o ioga reduz os seguintes marcadores físicos de doença cardíaca:

  • Índice de massa corporal
  • Peso corporal
  • “Mau” colesterol LDL e colesterol total
  • Pressão arterial sistólica e diastólica
  • Frequência cardíaca

Na verdade, os pacientes que já apresentavam doença arterial coronária experimentaram um benefício dramático quando se acrescentou o ioga ao seu regime actual de estatinas para baixar o colesterol. Todos os pacientes que fizeram ioga regularmente mostraram um aumento no colesterol HDL saudável. Também se pensa que os benefícios do ioga na redução do estresse melhoram o estado neuroendócrino e a função metabólica.

Os pesquisadores resumem os resultados desta forma: “O ioga tem o potencial de ser uma estratégia de tratamento e prevenção eficaz, em termos económicos, dado o seu baixo custo, a ausência de equipamentos ou tecnologia dispendiosos, uma maior adesão potencial e melhorias na qualidade de vida relacionadas com a saúde, e possível acessibilidade a maiores segmentos da população.”

O ioga é realmente para todos, com uma variedade de tradições à escolha − desde os estilos mais fáceis e restauradores do ioga até aos fluxos de vinyasa fisicamente mais intensos.

Se é um iniciante (ao ioga ou outras formas de exercício) comece de forma fácil com os seguintes estilos:

  • Ananda: Inclui posturas suaves que se focam no correcto alinhamento do corpo e controlo da respiração.
  • Ishta: Excelente para reduzir o estresse, o ioga Ishta usa poses, visualizações e meditações para abrir canais de energia no corpo.
  • Iyengar: Centra-se na força, flexibilidade e equilíbrio com ênfase no alinhamento corporal exacto e o uso de ferramentas para ajudar os menos flexíveis.
  • Kali Ray Triyoga: Realça movimentos semelhantes à dança, fluidos e suaves. O alinhamento exacto não é tão importante nesta prática.
  • Restaurador: Como o nome sugere, o ioga restaurador foca-se no relaxamento dos músculos e da mente com asanas suaves.

Se quer uma prática mais vigorosa de ioga, examine os tipos seguintes:

  • Anusara: Posturas lúdicas e descontraídas, mas exigentes, que seguem o protocolo do alinhamento exacto.
  • Ashtanga: Conecta o movimento à respiração e é fisicamente exigente. Aumenta a circulação, flexibilidade, resistência e força. Ioga da energia (Power yoga) é a versão americana de ashtanga.
  • Bikram: Semelhante ao ashtanga, mas com uma sequência precisa de movimentos realizados numa sala aquecida, que ajuda a desintoxicação e reduz o risco de lesões.
  • Vinyasa: Este fluxo de ioga é fisicamente exigente, mas acessível, conforme o praticante se move através de uma série de posturas que conectam o movimento à respiração. 

http://undergroundhealthreporter.com/yoga-reduces-cardiovascular-disease-risk/

  

publicado por Rui Vaz às 22:06
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.temas principais

  • Anti-envelhecimento
  • Fitoterapia
  • Nutrição

  • Receitas
  • Saúde mental
  • Suplementos
  • Terapias
  • .posts recentes

    . Exercício físico

    . Cinco analgésicos perigos...

    . Exercício da serpente par...

    . Frango com vinagrete de m...

    . A manteiga faz mal à saúd...

    . O perigo das garrafas plá...

    . Alimentos que queimam gor...

    . Chá de pimenta-caiena

    . Relaxe: Controle o estres...

    . As sementes de damasco pr...

    . Cúrcuma para a depressão

    . Frango com limão

    . Sistema físico ideal de t...

    . Mantenha um diário de gra...

    . Problemas do sono

    . É seguro cozinhar com aze...

    . Schisandra: o fruto silve...

    . “Cereais” rápidos e croca...

    . Como fazer um lift facial...

    . Combata a postura sentada...

    .arquivos

    . Novembro 2015

    . Outubro 2015

    . Setembro 2015

    . Agosto 2015

    . Julho 2015

    .tags

    . anti-envelhecimento

    . anti-inflamatório

    . antibiótico natural

    . anticancerígeno

    . antioxidante

    . cancro

    . cérebro

    . colesterol

    . desintoxicação

    . doença cardíaca

    . doença de alzheimer

    . estresse

    . exercício físico

    . facto ou mito

    . fitoquímico

    . fitoterapia

    . nutrição

    . óleo essencial

    . ómega-3

    . químico tóxico

    . receita sem glúten

    . suplemento

    . terapia

    . toxina

    . vitamina

    . todas as tags

    .links

    RSS