Terça-feira, 14 de Julho de 2015

Reverta a obesidade com restrição horária das refeições

Sabia que aquilo que se come pode ser menos importante do que o horário das refeições?

A obesidade ameaça todos os aspectos da saúde das pessoas obesas e, à medida que a epidemia continua, as despesas associadas também ameaçam esmagar o nosso sistema de saúde.

Normalmente, o conselho para reverter a obesidade foca-se nas escolhas alimentares. Mas e se o horário das refeições for tão importante quanto aquilo que se come − ou até mesmo mais importante? Uma pesquisa inovadora do Instituto Salk sugere que isto pode muito bem ser verdade! O horário das refeições pode influenciar o controlo do peso mais do que a quantidade de calorias ingeridas.

A pesquisa sugere que restringir o consumo calórico a um período de 8 a 12 horas (o que a maioria das pessoas fazia há um século atrás) poderia inclusive prevenir e reverter o colesterol elevado, a diabetes e a obesidade. 

Com o estilo de vida moderno, os seres humanos adaptaram-se a um horário de refeições que inclui lanches nocturnos altamente calóricos. Comer num horário restrito significa simplesmente definir um período específico para as refeições durante o dia, e não comer mais nada no resto do dia.

Esta restrição horária ainda não foi estudada em seres humanos, mas os pesquisadores do Instituto Salk têm vindo a testar o método em ratos e com resultados muito impressionantes.

Ratos alimentados durante um período de 8 a 12 horas permaneceram mais saudáveis e mais magros, mesmo quando foram alimentados com uma dieta rica em gordura. Ratos que comeram apenas durante um determinado período de 8 horas reverteram a obesidade e diabetes. Ratos alimentados com a mesma dieta, mas que podiam comer a qualquer hora do dia ou da noite, portaram-se muito pior.

Neste estudo com quase 400 exemplares (alguns de peso normal e alguns obesos), os ratos sujeitos a um período alimentar de 9 a 12 horas ganharam menos peso do que os ratos que podiam comer sem restrições horárias, apesar de ambos os grupos ingerirem o mesmo número de calorias. Além disso, os ratos com horário restrito ganharam mais massa muscular magra do que os outros ratos.

Os benefícios da alimentação com horário restrito confirmaram-se, independentemente de:

  • Peso do rato
  • Tipo de dieta
  • Duração da restrição horária

Diferentes durações do período alimentar − 9, 10, ou 12 horas − todas elas resultaram em ratos igualmente magros.

Alguns dos ratos com restrição horária ficaram isentos da restrição aos fins de semana, tendo acesso aos alimentos 24 horas por dia, durante esses 2 dias. Ainda assim, estes ratos experimentaram benefícios muito semelhantes àqueles cuja alimentação foi restrita nos 7 dias da semana. Apresentavam menos massa adiposa e ganharam menos peso do que os ratos cujos períodos alimentares nunca foram restritos.

Isto sugere que os benefícios de uma alimentação em horário controlado persistirão, não obstante interrupções ocasionais.

As descobertas acerca dos ratos obesos foram as mais empolgantes. Quando os investigadores restringiram o seu acesso à comida a um período de 9 horas, estes ratos perderam 5% do peso corporal no prazo de alguns dias − apesar de comerem o mesmo número de calorias como antes! Mais importante, comer com restrição horária impediu-os de aumentar de peso, enquanto os ratos com uma dieta rica em gorduras e sem restrições ganharam mais 25% do seu peso corporal, no final das 38 semanas.

Estes resultados foram publicados recentemente na revista Metabolismo Celular. Os autores dizem que “a restrição horária sincroniza melhor a função de centenas de genes no corpo com o tempo previsível das refeições.”

http://undergroundhealthreporter.com/reverse-obesity-with-time-restricted-eating/

 

publicado por Rui Vaz às 15:04
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.temas principais

  • Anti-envelhecimento
  • Fitoterapia
  • Nutrição

  • Receitas
  • Saúde mental
  • Suplementos
  • Terapias
  • .posts recentes

    . Exercício físico

    . Cinco analgésicos perigos...

    . Exercício da serpente par...

    . Frango com vinagrete de m...

    . A manteiga faz mal à saúd...

    . O perigo das garrafas plá...

    . Alimentos que queimam gor...

    . Chá de pimenta-caiena

    . Relaxe: Controle o estres...

    . As sementes de damasco pr...

    . Cúrcuma para a depressão

    . Frango com limão

    . Sistema físico ideal de t...

    . Mantenha um diário de gra...

    . Problemas do sono

    . É seguro cozinhar com aze...

    . Schisandra: o fruto silve...

    . “Cereais” rápidos e croca...

    . Como fazer um lift facial...

    . Combata a postura sentada...

    .arquivos

    . Novembro 2015

    . Outubro 2015

    . Setembro 2015

    . Agosto 2015

    . Julho 2015

    .tags

    . anti-envelhecimento

    . anti-inflamatório

    . antibiótico natural

    . anticancerígeno

    . antioxidante

    . cancro

    . cérebro

    . colesterol

    . desintoxicação

    . doença cardíaca

    . doença de alzheimer

    . estresse

    . exercício físico

    . facto ou mito

    . fitoquímico

    . fitoterapia

    . nutrição

    . óleo essencial

    . ómega-3

    . químico tóxico

    . receita sem glúten

    . suplemento

    . terapia

    . toxina

    . vitamina

    . todas as tags

    .links

    RSS